9.9.10

O caminho do Peru

Cheguei ontem de manha ao Yacht Clube Peruano , na ponta Sul do porto de Callao , que serve Lima.
14 dias de viagem e houve quase tudo, excepto variedade de mareacoes: bolina cerrada , ou a motor . Velejei muito mais do que estava 'a espera , e calhou bem porque senao o gasoleo nao chegava. Um bordo para Oeste , umas 100 milhas e uns 100 graus fora de rumo , outro bordo para voltar 'a costa uns 30 fora de rumo , e assim se ganha a distancia , dias de percorrer 160 milhas para ganhar 60. Sempre ceu encoberto , sempre vento quadrante Sul entre 15 e 25 nos. Pus o primeiro rizo na vela grande e ainda la' esta' , com uma manilha no lado do mastro e um cabo de spectra na ponta da retranca , para nao se mexer para lado nenhum. A 500 milhas daqui e umas 60 da costa partiu-se um brandal , ia com dois rizos na vela grande e meia genoa. Felizmente foi um brandal de sotavento pelo que nao veio tudo por ai' abaixo . Nao vou entrar em detalhes e nao foi exactamente uma aflicao mas ha' sempre um bocado de adrenalina. Assegurou-se a situacao e decidi ir 'a ancoragem mais proxima, onde mesmo que nao houvesse nada nem pudessemos baixar a terra podia ancorar abrigado, resolver melhor a vela grande e a retranca e subir ao mastro para ver se nao estava mais nada em perigo de cair. Bayovar , 'e uma viloria de pescadores miseravel e suja no fundo de um terminal para caregar fosfatos em navios , encrustada numa colina arida , como a paisagem toda aqui em volta. Ancorei , fiz o que tinha a fazer , desci a terra , fui 'a capitania , um pre fabricado no cimo do monte com um puto a ver televisao e um “oficial” a dormir , VHF desligado. Estive ancorado mesmo debaixo da porta deles 4 horas , bandeiras todas da ordem , um barco que sobressai um bocadinho , nao tinham reparado em mim e o oficial nao sabia o que fazer comigo nem o que me perguntar . Dei-lhe o meu despacho do Panama , coisa de 4 paginas a declarar a viagem do barco e a tripulacao . “Portugal...Cristiano Ronaldo...” “Claro , claro” . Fez uma pausa e disse-me : ”Se ficar ai' 'a noite abordam-no e roubam-no” , e fez o gesto de engatilhar uma 12 , caso eu nao tivesse percebido a mensagem. Pois , parecia-me bem o caso , especialmente dado que a vigilancia e autoridade deste porto estao a cargo destes dois infelizes .
Queria comprar uns mantimentos frescos mas a mercearia nao so' nao tinha nada fresco como nao aceitava dolares , e para ir trocar dolares e encontrar uma mercearia maior ( e gasoleo) era uma hora de carro. Abandonei a ideia , voltei a bordo, cozinhei um jantar , o primeiro que comemos quietos e em silencio numa semana , transferimos os ultimos 50 galoes de gasoleo dos jerrys para os tanques e pouco depois de cair a noite levantamos ancora e voltamos ao caminho. Sei lidar com brandais que se partem no meio da noite mas nao sei bem lidar com dois meliantes armados ( ou desarmados....) que me subam ao barco a meio da noite para me assaltar , e nao preciso de mais emocao na minha vida.
Mais 500 milhas dai para Callao, e o problema de nao poder usar mais as velas . Se vento fosse Norte ainda podia fazer umas adaptacoes , mas 'a bolina so' podia mesmo velejar numa amura . Os calculos do consumo de diesel nestas viagens nao sao no olhometro mas perto, porque a quantidade de diesel que trago 'e quase sempre o maximo possivel ( a unica altura em que temos demasiado combustivel 'e quando estamos a arder) , que em viagens grandes nunca 'e suficiente para o percurso todo. Depois 'e o equilibrio entre o que se faz 'a vela e as escolhas para reabastecer. 'E sempre uma aposta , mas com vela sabemos que se acabr o gasoleo podemos sempre la chegar , mesmo que leve outra semana. Se houver comida para outra semana....
Mais 5 dias contra o vento , contra a corrente , contra a vaga , frio e ceu cinzento. Baleias , leoes marinhos , golfinhos e milhares de passaros . E pescadores , em cascas de noz no meio de 20 nos de vento frio e vagas de metro e meio , a 60 milhas da costa , coisa de loucos. Rijos como aco.
A tripulacao sempre bem , nao ha queixas nem minhas nem deles. Anteontem 'a tarde , ja com o diesel nos vapores , a 50 milhas daqui e a reduzir rotacoes nao so' para poupar diesel mas para nao chegar ao porto a meio da noite, telefona o dono do barco . Queria saber se eu queria que ele mandasse alguem trazer-me diesel. Eu disse que nao mas que podiamos entrar numa baia aqui perto , passar a noite, atestar e chegar a Callao na manha seguinte. E assim se fez, e estava um barco do yate clube 'a nossa espera para nos indicar a poita e um dos empregados do patrao numa lancha para me descarregar as compras de Miami. Sim , tecnicamente 'e contrabando porque se eles mandassem aquela tralha toda pelo correio pagavam impostos e alfandega certo e sabido, e nao era pouco , mas nao me preocupou nada . Primeiro , nao tenho nada contra contrabandistas nem contra a actividade em si , nao pratico mas aprecio. Depois tinha legitimide para ter ali o barco , por causa do brandal e da falta de gasoleo , pelo que nao estava propriamente a entrar 'as escondidas , a um barco com uma avaria nao se pode negar abrigo. E depois porque estes donos do barco mandam nisto , tinha as costas muito quentes. Ainda fomos a terra jantar ( isso tambem tecnicamente ilegal) e 'as seis da manha ja' estavamos na doca do combustivel.10 da manha recepcao no Yacht Club , com a boia a espera. 15 minutos depois chega o agente , a Marinha , a Alfandega , a Capitania , a Sanidade e a Imigracao . O agente pergunta-me : “tem um carimbo? ..Nao, entao vai ter muito que assinar...” e assinei 'a vontade 45 paginas .
Chegaram depois os novos donos ('e uma sociedade de dois amigos , um gosta de navegar , o outro gosta mais das patuscadas) , se me recebem com um abraco 'e 'a partida bom sinal....Naturalmente que estao um bocado desapontados porque o barco nao chega em condicoes de velejar , mas ja tenho os brandais novos a serem cortados em Fort Lauderdale e vao ser enviados esta semana. Queriam que eu saisse com eles dois dias para umas licoes de vela e eu tinha dito que sim , especialmente porque 'e pago 'a parte.Posso passar aqui uma semana, se os brandais nao chegam entretanto , adeus vela , e 'e uma sombra na performance global da operacao. Vamos ver.
Deram-me um telefone para usar aqui e mandaram um empregado num carro para nos levar aonde quisessemos em Lima o resto do dia.
O Jack voa amanha , estava lancado para ir a Machu Pichu mas tem um amigo de infancia no hospital a morrer com um cancro daqueles que aparece e nao ha' nada a fazer a nao ser drogar o homem e esperar.
Num instante qualquer chega a morte , sem ter que dar grandes explicacoes ou justificacoes. Nao acho que se deva viver como se fosse sempre o ultimo dia , mas tentar fazer com que cada dia conte .Nao 'e facil. Tambem acho que 'e bom exercicio pensar no que 'e que fariamos se nos comunicassem que temos os dias contados e nos mostrassem a conta.
Isto para acabar num tom alegre .
Agora 'e dar a volta este barco com calma e esperar pelo correio.

2 comentários:

Conde disse...

Como é que raio se parte o brandal de sotavento!!

J.Ventura disse...

Ainda nao sei mas estou a escrever um relatorio para os fabricantes e vendedores e tal, porque nao 'e normal...