23.6.12

O Bloco e as Touradas

Já dei aqui a minha opinião sobre as touradas. Só fui uma vez a uma , na Nazaré  devia ter uns seis  anos , foi  numa viagem da creche. Fui escolhido para levar um ramo de flores ao João Moura , atravessei a arena , entreguei-lhe as flores ,  pensei  "e se vem o touro?" e larguei a fugir debaixo das gargalhadas dos espectadores , é das memórias mais velhas que tenho , talvez a mais velha. 

Desde que vivo num sítio onde há cerca de 3 vacas por habitante  aprendi um bocadinho mais sobre a sua criação e vida , e fiquei ainda mais convencido de que as únicas pessoas com autoridade e legitimidade para protestar contra as touradas são os vegetarianos.

O Bloco de Esquerda convocou uma audição pública e tem um projecto sobre as Touradas. Ao contrário do que seria de esperar  não pedem a sua proibição , pedem apenas o fim do apoio do Estado à actividade tauromáquica. Como é raríssimo , tiro aqui o chapéu à posição actual do BE:
"Há atividades ligadas à tauromaquia, sejam agrícolas ou de preservação de certos ecossistemas, cuja importância nós reconhecemos e respeitamos -- apenas queremos que o Estado deixe de financiar um espetáculo de violência sobre os animais

A freakalhada que ficou à porta aos berros , cheia de farpas , ketchup , cartazes e insultos  , deve estar desilududa com o Bloco , eu concordo , até porque  acho que o Estado devia deixar de financiar espectáculos em geral, com ou sem animais quadrúpedes. Sempre que o Bloco de Esquerda vier pedir o fim do financiamento estatal a  espectáculos tem o meu apoio incondicional.

7 comentários:

Anónimo disse...

A importância do fim das touradas, para mim, é tão somente ver o reflexo de um povo que se choca com a morte e tortura de um ser qualquer. Se um dia as touradas acabarem, há-de ser por consequência disso, o contrário nunca acontecerá. Por enquanto, predomina a hipocrisia e a inconsistência. Tantos berram pelos abortos e pelo direito da escolha no que diz respeito ao seu próprio corpo (quando quem morre é outra pessoa), mas depois se um adulto quiser morrer, está a cometer crime ao suicidar-se. Mas isto é só mais um daqueles exemplos que eu dou como que a pedir chapadas. Esqueçam lá o que escrevi. Voltando à inconsistência. Ainda por cima, temos a citação, qualquer coisa como a consistência é o último recurso para os que não têm imaginação, e se isto aparece entre aspas, com Oscar Wilde em baixo, então é porque é verdade. No entanto, eu acho que quem come carne ainda tem por que protestar contra as touradas. Todos nós temos um limite, um «não, isto já é de mais». Há quem seja capaz de comer um bife, por estar convicto de que precisa de bife para sobreviver. A prova disso é quando esse se vira para o vegetariano e pergunta «onde vais buscar as proteínas?». O vegetariano-não-ignorante é vegetariano porque sabe que não precisa de carne. Enquanto o não-vegetariano pensar que tem de comer carne por necessidade, deixem-no lá fazer por sobreviver e não lhe atirem à cara o bife, enquanto sofre por um touro. Não há passos radicais, vai-se chegando lá. Hoje muitos comem carne a chorar um touro. Amanhã vai-se mudando a tradição e depois, quando já não tivermos crescido a ver sangue na RTP enquanto gente aplaude, talvez queríamos questionar por que aparece um bife no nosso prato. Fala a idealista.

Sou vegetariana desde os 14 anos. Tenho um negócio com as melgas: não me zumbes ao ouvido e eu destapo uma perna. Só mato mesmo é baratas. Cada um com o seu limite.

O Bloco de Esquerda está a ficar crescido. Está quase um homenzinho. hahaha

Com um comentário deste tamanho, só volto a comentar para o ano.

Anónimo disse...

*queiramos, no lugar de queriamos.

Jorge Ventura disse...

Tenho uns amigos que regressaram recentemente da China , maravilhados com tudo. Por cá chocam-se com as touradas sempre que o assunto surge , é de barbárie para baixo , e pessoas como eu , que nem são aficionados mas que também não se incomodam , são no mínimo insensíveis. Que na China se executem pessoas todos os dias , se recolham ,abatam e comam cães , que em certas partes comam cérebros de macacos com o bicho ainda vivo já não é barbárie , são especificidades culturais.
Ainda esta manhã recebi a minha dose de insultos no site de um jornal por causa do assunto , a mim o que chateia não é causa de acabar com as touradas , é o tom da discussão.
Outra coisa é que pelos vistos os militantes pensam que as pessoas vão à arena ver os touros sofrer , que a dor do touro é o fulcro do espectáculo , e isso é confundir tudo.

Já agora aproveito o comentário sobre este post para explicar que acho que o Estado não deve financiar espectáculos directamente mas isso não quer dizer que deixe de financiar as Artes e a Cultura. Como? Subsidiando bilhetes para os cidadãos que querem ir ver um espectáculo e não podem. Deixa-se às pessoas a liberdade de escolher o que querem ver e acaba-se a praga dos artistas que são artistas porque acham que são e porque os amigos lhes dizem que são e são subsidiados para fazer o que outros artistas acham que tem valor , à nossa custa. Subsidiar o acesso e não a produção ,talvez me mostrem que isto não pode ser , até lá é o que eu acho.

Anónimo disse...

Espero que não tenha (tenhas?) encontrado esse tom no meu comentário. Não penso que a opinião sobre as touradas seja reveladora da sensibilidade de alguém. Ainda por cima o Jorge, que me vive de mar e terra. Mil vezes isso do que um indignado com touradas que vive de cimento.
Não costumo comentar blogues nem jornais, a última vez que comentei um blog desconhecido até foi sobre o assunto das touradas. O autor foi de tal forma rude que nunca mais comentei blogues de desconhecidos. Hoje comentei aqui, porque encontrei uma opinião equilibrada sobre o assunto, com a qual consigo até concordar, se olhar na perspectiva do autor, apesar de no fim ter de voltar à minha posição e, daqui, a paisagem continuar a ser outra. E o mundo não estourou nem nada!
Penso que se o espectáculo da tourada fosse o sofrimento, 90% das pessoas que a vêem e apoiam sairiam da plateia. As pessoas que só vêem o sofrimento não estão lá.
Sou contra as touradas, mas não sou contra o Jorge.

«Subsidiar o acesso e não a produção», é isso mesmo.

Jorge Ventura disse...

Quem dera que todos os debates e defesas de posições contrárias forem feitos como este a esta pequenina escala , se conseguíssemos todos ser a favor ou contra ideias ou posições e não pessoas , chegávamos a conclusões muito mais depressa...
Obrigado por passares por aqui , aprecio que aprecies o que eu escrevo.

Jorge Ventura disse...

*fossem

Rui Silva disse...

Nunca fui a uma tourada. Mas tambem não posso afirmar, sem sombra de duvidas que sou contra. Acredito que se um dia as touradas acabarem, o ideal seria porque não tinham assistencia.Penso que se há pessoas que gostam, não deveria de prevalecer a vontade dos que estam contra. Gostava de saber as vidas particulares de cada um que se manifesta nas praças contra os touros, fazemos tanta coisa criticável, que gostaria de saber por onde anda a hipocrisia.Não entendo a relação entre vegetarianos/sofrimento dos touros, é porque se facilmente se estabelecem esse tipo de relações, como é que quem é contra as touradas com o argumento do sofrimento do touros é a favor do aborto?, como é que quem é contra as touradas se alista nas forças armadas? preparado para matar pessoas?? e quantos dos que são contra as touradas já recolheram um animal vadio? e alimentaram um sem abrigo? e por ai fora.... como disse não defendo nem critico as touradas, mas acredito mais nos que defendem a arte taurina, acredito que estimam e defendem os animais envolvidos e não sentem o espectaculo como um espectaculo de sofrimento e barbarie, essa acontece todos os dias a toda a hora entre os humanos "civilizados".