25.7.12

Gás e Sol no Corvo


Ouvi há poucos dias na Rádio que o Corvo vai investir um milhão de euros , 1 000 000€ , num sistema solar de aquecimento doméstico de água . A ilha continua assim o seu percurso para a “independência energética” , que muita gente acha um objectivo importantíssimo. Eu tenho algumas objecções ao projecto, a primeira é que não é “o Corvo” que vai investir o milhão , é o Estado , a diferença existe e não é pequena. Depois sei e aceito perfeitamente que os corvinos têm que ter privilégios diferentes de portugueses  que vivem  noutros sítios , e já os têm ( como os transportes de mercadorias quase gratuitos) , mas quando se chega ao Estado aquecer a água da casa das pessoas começa-me a cheirar mal.
Um milhão de euros comprava , a preços correntes , cerca de 55500 botijas/garrafas/bilhas de gás , o que dá 138 por habitante . Numa estimativa muitíssimo generosa uma pessoa consome uma botija de gás de 2 em 2 meses , o que dá gás para mais de 20 anos .
Daqui a 20 anos o sistema que vai ser montado , por melhor que seja , está obsoleto , não há quase nada hoje em dia feito para para durar mais de 20 anos. Ou seja , vão precisar de outro , e espera-se que o milhão de euros inclua a manutenção constante que o sistema precisa .
Hoje , meio de Julho , o céu está encoberto e está a chover , de resto como ontem e anteontem, aqui e no Corvo , e não é preciso ser meteorologista nem ter vivido aqui muitos anos para perceber que aqui não se pode contar com energia solar , nem sequer no verão quanto mais todo o ano. Ou seja , o Corvo vai continuar a importar e queimar gás .
Posto isto , lamento que lá se vá mais um milhão de euros para produzir a água quente mais cara e intermitente que há , mas como vem do Sol e se poupam dois ou três contentores de gás por ano , é um espectáculo.

Sem comentários: