17.8.12

O Assange

.arrisca-se a passar os próximos anos na embaixada do Equador em Londres , e eu achava isso muito divertido . Pode aproveitar para cravar mais algum dinheiro aos ricos incautos que o sustentam dando entrevistas na Embaixada , tem sempre mais pinta , e podia inventar um reality show “24 horas na vida de um bufo exilado” , em que podíamos ver a vida do elemento enquanto se passeava pelas instalações da embaixada , a olhar pelas janelas e à procura de alguma coisa para poder denunciar a alguém. Ou talvez o tentem fazer escapar no carro do embaixador , tinha ainda mais piada . Para isso precisavam de ter um avião do Equador pronto para o levar de Londres e não sei bem se o Equador tem condições para isso. Aliás , acho que o Equador não sabe bem no que se meteu ao tomar o homem sob a sua protecção . Há-de haver quem lamente a situação e quem tenha mais respeito e confiança no sistema judicial Equatoriano do que no Inglês e Sueco , mas isso é normal , menos para quem vive no Equador. Sem surpresas , se forem ver os dados publicados pela wikileaks realtivos ao Equador , referem-se todos a actividades e relações com os  EUA.  Na altura em que lá estive preparavam-se para erradicar a pobreza e a desigualdade social por meio de uma nova constituição , a última das 21 constituições que já tiveram e esta tem dado um resultadão . 
Segui o “caso wikileaks” desde o princípio , nunca escrevi aqui nada sobre isso porque estava tão seguro , tão seguro da minha opinião que era impossível que não estivesse enganado nalgum detalhe ou que algum ângulo me estivesse a escapar e que o wikileaks não fosse uma coisa má e perigosa. Não me vou por isso alongar , digo só que quem defende e acredita num mundo sem segredos é ingénuo ou cretino ou demagogo . O Julian Assange sempre me pareceu uma figurinha repelente , e espero que ou seja julgado na Suécia ou nos Estados Unidos ou que viva mesmo o resto da vida na embaixada em Londres .

7 comentários:

António Matos disse...

Não tenho opinião sobre o Assange, mas sobre o que ele ajudou a fazer adorei. Na realidade o bufo não é ele (que é apenas uma variante de jornalista). O bufo é quem sonega a informação reservada da fonte. O principal foi o gajo das forças militares dos EUA...

Mas se não houver quem sonegue as informações reservadas...não há jornalismo, nem casos...há só a informação "oficial".E a informação oficial é tantas vezes contra informação, e propaganda ideológica, e contra propaganda, e manipulação de massas. Acho isto muito saudável. Gosto de fontes contraditórias e denuncias. Isso faz parte do espírito liberal e democrático.

Quanto a GB acho piada...anda a tentar parecer que ainda é uma grande potencia imperial...acolheu o Pinochet, mas agora não aceita o asilo politico deste gajo.

enfim, isto de coerência não tem nada. é só..."o meu lado contra o lado do outro". É esta falta de coerencia que não entendo na direita pseudo liberal. Quando é para fazer propaganda liberal para o mundo "não livre" são a favor de toda e qualquer ingerência etc, quando lhes calha ao seu lado predilecto já se encolhem e justificam o contrário.

Jorge Ventura disse...

Sim , o bufo não é ele, ele limitou-se a criar a conduta para qualquer anónimo com uma razão de queixa ou uma militância poder divulgar informação classificada. Podemos discordar dos estados ou dos processos de classificação mas acho que concordamos que os estados têm o direito e o dever de reservar certa informação. Não percebo como é que divulgar as comunicações diplomáticas ajuda a melhorar as relações entre os Estados , antes pelo contrário.

O Assange quis censurar a sua própria autobiografia ( http://www.economist.com/node/21557312 ) e depois fala de liberdade de informação sem limites. Hipócrita como os outros. Tem um mandado de captura emitido pela Interpol e outro pela Suécia , um estado de Direito , e fugiu . É natural que o seu processo tenha motivações políticas , tal como a Wikileaks nasceu por motivações puramente politicas.
Não vejo bem o apoio da direita liberal a "qualquer ingerência" e lembra-te que o Pinochet foi preso precisamente em Londres pelos Ingleses ( http://en.wikipedia.org/wiki/Indictment_and_arrest_of_Augusto_Pinochet ) e depois libertado mas para regressar ao Chile onde responderia pelos seus crimes , se não tivesse morrido.

António Matos disse...

Que ele seja um egocentrico hipocrita não me custa nada a acreditar. No meio do jogo geopolitico em que ele está nunca mais saberemos a verdade, nomeadamente sobre o caso movido contra ele a partir da suécia.E pouco me interessa.

Mas interessa-me saber, ter informação mais fidedigna possivel, daquilo que os Estados andam a fazer, mentindo-nos tantas vezes, "em nosso nome, para nosso bem", tal qual criancinhas tontinhas que somos. Pessoalmente nao preciso que me mintam, dizendo-me que vão invadir o Iraque por causa de ADM que nunca existiram. Mais valia dizerem que estão interessados em controlar a politica de toda a região para controlar os recursos naturais!

Não sou um Estado, sou um individuo.

E os direitos que falas...o direito é, por definição, um poder. E o poder de uns é diferente dos dos outros. O poder dos EUA é diferente do Equador. E o de um Estado diferente de um individuo. Eu sou um individuo, e quando vejo o poder do Estado enfraquecido por denuncias de bufos do seu próprio exercito, gosto disso.

Jorge Ventura disse...

Pois, eu também gosto pouco que me mintam apesar de saber que o fazem todos os dias e que se viessem explicar às pessoas claramente "como é que isto funciona" o sistema provavelmente ruía , se calhar era bom mas ia ser muito desconfortável...

António Matos disse...

O que se te merece dizer o facto do Paulo Portas , de saída do Ministério da defesa, ter sacado dezenas de milhares de fotocópias de documentos, inclusive confidenciais, para seu uso pessoal?

E também devemos acreditar piamente e com respeitinho nas tangas que nos contam sobre o que se passou recentemente na Libia, ou que se está a passar na Siria, e a seguir se vai passar no Irão? (para quem tivesse duvidas, felizmente houve um "bufo" bem posicionado que resolveu contar este "segredo":http://www.youtube.com/watch?v=6FzeuvcJE4E)

O direito ao segredo de Estado? A mim parece-me mais o direito do Estado mentir aos seus própriso cidadãos e constituintes. E isso não me merece respeito nenhum.

Jorge Ventura disse...

Se tirou documentos do estado para uso pessoal deve (devia) ser processado e julgado , tal como qualquer pessoa que o faça seja para ocultar negociatas seja por motivações políticas.

Acredito que para se manter um Estado tem que haver informação confidencial e reservada , tu não, ficamos assim.

Tenho um respeito enorme pelo general Wesley Clark , o que ele diz aí já muita gente , incluindo eu e talvez tu , sabia. Não foi preciso wikileaks para sabermos isso , foi preciso uma imprensa livre e gente sem medo, que há mais nos EUA e na Europa que na Russia , na China ou no Equador.
E atenção , há uma diferença entre um general reformado vir dar uma entrevista pública e um gajo com acesso a informação roubar documentos e mandá-los para o estrangeiro a coberto de anonimato, é a diferença entre um bufo e uma denúncia frontal e corajosa.

Os países têm interesses ( tal como as pessoas) e movem-se por eles , há muitos séculos . Isto continua a escandalizar , surpreender e revoltar muitas pessoas.Há países onde os promotores desses interesses podem ser substituídos regularmente pelos eleitores , outros nem por isso.

Quanto ao "que se está a passar na síria e vai passar no Irão" , uma coisa era a administração Bush , outra coisa são os que lá estão agora , mas também pode ser que aches que são perfeitamente equivalentes , e nesse caso estamos conversados.
um abraço

Anónimo disse...

Jó,

Não sabia que tinhas um texto sobre o Assange e vim cá ver quando me falaste nisso. Aquilo que tu dizes é inteligente, mas infelizmente há "ingénuos, cretinos" que continuam a ver o gajo como uma espécie de messias. É o fruto dos tempos que correm, onde existe um populismo anti-poder e uma ilusão de que o mesmo pode cair na rua. A lógica é sempre fácil e confortável. "Eles", os poderosos, são maus e sujos, "nós" os desgraçadinhos somos umas vítimas e não temos responsabilidades em nada. Os americanos são porcos, o Chavez e o Amadinejad são paladinos da liberdade. O que é curioso é que o senhor Putin, que mandou encerrar as Pussy Riot, financiou um talk show ao senhor Assange, onde ele entrevistou carinhosamente gente como o Hassan Nasrallah, líder do Hizbollah, e o senhor Correa, o mesmo que lhe quer dar asilo e que, curiosamente, mandou fechar todas as rádios e jornais que dizem mal dele e que vai repatriar para a Bielorússia um dissidente político que se opunha ao maravilhoso regime da "rússia branca". Realmente o mundo é um bocadinho mais complicado do que parece.
Abraço
Tó Ribeiro