22.1.13

Bichos

Fui à farmácia há pouco , estava cheia , e claro que toda a gente se conhece e trata por tu. Uma senhora estava a aviar uma receita e no fim , com um riso muito nervoso , perguntou  à farmacêutica se não lhe podia dar alguma coisa para a acalmar , há dois dias que não dormia. 
-É uma coisa tão estúpida , até tenho vergonha ...! , e ia-se rindo com um riso estranho , um feixe de nervos e embaraço. 
-Eu digo-lhe o que é... 
Por momentos pensei que eu e o resto das pessoas íamos ficar a saber um pormenor ou acontecimento da vida privada da senhora , que naturalmente eu pelo menos preferia não saber. A senhora ria-se alto , estava coradíssima , e explicou então à farmacêutica no meio dos risinhos a razão pela qual não dormia:
-Tenho lá uma cadela, já muito velha , e hoje à noite vai lá o veterinário para a arrumar (eufemismo local para matar um bicho) , e olhe , ahahahah , não consigo dormir , ahahaha , é uma coisa tão estúpida...

Esta senhora estava envergonhada  , não percebia  e achava-se  estúpida por  estar angustiada e não dormir porque a sua cadela ia ser abatida.
Em qualquer sítio  onde as pessoas foram maltratadas e passaram provações de toda a ordem é natural que os bichos não recebam grande tratamento, carinho ou respeito. Os animais como as vacas ou ovelhas são tratados na medida mínima para serem rentáveis , os de companhia serão muito poucos e das centenas de cães que há a  maioria passa a vida toda preso a metro e meio de corrente e alimentado o suficiente para se manter vivo , recebendo mais pontapés e insultos do que carinhos.
Se as pessoas não crescem com respeito , amor e condições dificilmente vão dar respeito , amor e condições aos seus animais , claro como água.
Fiquei muito impressionado com a senhora , que não tinha consciência do amor que tinha pela sua cadela e achava que era estúpido e uma vergonha perder o sono e sofrer pela morte anunciada do seu bicho.

2 comentários:

Anónimo disse...

A história que contas impressiona mesmo. Mas mais me impressionas tu, por reparares e chegares a tais conclusões. Tudo de bom para ti.

Jorge Ventura disse...

:)