23.12.13

Lima & Livros


Tenho problemas sérios com o trânsito seja onde for , para mim o ideal é o da minha ilha , passa um carro de vez em quando .
Lima está bem posicionada na competição global pelo título de Trânsito mais Caótico , na minha experiência o Cairo continua campeão incontestado mas Lima está forte. É uma cafarnaum em que os condutores usam as buzinas tanto como os pedais , os sinais são de observância facultativa e a maior  parte dos condutores de transportes públicos conduz como possessos pelo diabo ou a fugir dele . É coisa que me dá muito medo , não sou habituado a trânsito denso e meio selvagem e os trajectos nas Hiaces e similares , as "combis de la muerte" ,  são aterradores , especialmente nas vias rápidas e noutras vias que não deviam ser rápidas mas que toda a gente acha que são. Agarro-me ao banco da frente , olho para o chão e tento abstrair-me da barulheira infernal e incessante das buzinas agora cheias de efeitos especiais e de pensar numa morte inglória , encarcerado numa combi meio podre enfaixada num poste debaixo de um viaduto em Lima . Na última viagem de regresso a La Punta no banco à minha frente ia uma miudinha que se ria sem parar nem nunca estar quieta no banco , para ela aquilo vai ser a maneira normal de viajar e o resto das pessoas não está nem aí , como dizem os brasileiros , enquanto que eu , que já vi a minha quota de situações perigosas e me saí bem sem grandes nervos , tremo  de medo.

 Lima tem uma coisa que acho que  Europa já perdeu há muito , que são as ruas dedicadas a artes , ofícios e comércios , há uma rua só com lojas de móveis , outra com acessórios automóveis , outra com equipamentos de cozinha , outra com tipografias , outra com ervanárias e por aí além , de tudo. Há uma praça belíssima , a 2 de Maio , e ruas adjacentes onde há dezenas e dezenas de lojas de instrumentos musicais umas a seguir às outras  , e há , claro a rua dos alfarrabistas e livreiros que consegui encontrar de memória da última visita . Descer a rua pedonal que começa na Plaza de Armas         ( menos blindados , tropa e polícia de choque a guardar o Palácio do Governo e a praça , bom sinal ) até ver a igreja azul , e seguir a rua que vai lá dar , é por aí. Havia alguns  abertos apesar de ser Domingo e lá andei a vasculhar mas não comprei muito , fiquei-me por dois livros do Mario Vargas Llosa , de quem  nunca li nada , e por meia dúzia de números antigos do Economist que se costumam encontrar em sítios assim e que eu gosto de ler , para comparar o que era esperado e as análises e previsões feitas com o que se passou mesmo. Há um livro que quero ver se encontro daqui a pouco no aeroporto , partindo do princípio que há lá uma livraria decente  , que é “El Patrón del Mal ” , a história do Pablo Escobar . Acho que ninguém pode compreender a história contemporânea da América Latina sem compreender o narcotráfico .
 Outro livro a meu entender  crucial para perceber  isto  é um que trouxe da minha estante para reler nesta viagem , “Nostromo” , daquele que é talvez o meu autor favorito , certamente está nos 5 mais , Joseph Conrad. Passa-se nos fins do século XIX na cidade de Sulaco na imaginária República de Costaguana ,  ele faz uma síntese do que foi essa época na América do Sul e Central contando uma história fascinante como ele sabia como muito poucos. Está lá tudo e recomendo-o vivamente a quem se interessa por esta parte do mundo.

Quando tinha aí 12 anos deram-me um livro chamado " A queda dos Incas" , era de uma colecção juvenil que eu consumi muito e que me apresentou como heróis conquistadores  Francisco Pizarro e Diego de Alvarado . Não sei como é que esses dois são apresentados hoje em dia às crianças , ainda menos às peruanas , mas hoje  arrepio-me com a malvadez  dessa gente , esses dois em particular , carniceiros-mor da conquista do Peru, gente toldada pela cupidez e ganância extrema . Posso muito bem estar enganado e aprendemos até morrer mas ainda assim penso que a nossa demanda de "cristãos e especiarias" , mesmo que muitas vezes tenha tida a sua dose de fúria sanguinária  e  mesmo que a  maior parte dos tugas que ia para as Índias ia para fazer fortuna  , não se pode comparar com a expansão espanhola em níveis de   violência , opressão e  espoliação .

Outro livro que li nesta viagem e recomendo absolutamente chama-se "Why Nations Fail" ,  na minha opinião faz mais pela compreensão do mundo contemporâneo e as diferenças entre nações do que qualquer outro . Foi coincidência , comprei-o em Boston mas tem um capítulo em que mostra de modo cristalino como a situação actual da América Hispânica radica no sistema colonial implementado pelos espanhóis . É para mim o livro da década , na sua área. Não é a raça , não é o clima , não são os recursos , não é a cultura , não são as ideologias. São as instituições que fazem a diferença e , digamo-lo sem medo , a superioridade de uns em relação a outros. Nesse link podem acompanhar o blog e comprar o livro , não sei se haverá muitas editoras portuguesas interessadas , estão muito ocupados com a Margarida Rebelo Pinto , o Sousa Tavares ,  o Dan Brown ,  o soft porn para donas de casa e o resto da literatura que vai fazendo e aguenta o país que temos.

Deixo o Peru daqui a pouco , com a perspectiva desagradável de um voo de 12 horas e meia até Amsterdão , onde vou esperar mais seis até ao voo de 3 horas para Lisboa , ou seja um total de 21 horas de viagem , sem contar com atrasos , e isto é só até Lisboa. Vou por Amsterdão não pela afeição que tenho pela cidade , à qual sou capaz de fazer uma visita relâmpago durante a escala , mas simplesmente porque a KLM oferecia o voo mais barato. Saio daqui convencido de que da próxima vez que cá vier tenho que arranjar maneira de ter pelo menos quinze dias e fundos suficientes para ver o país para lá da capital . Estou cheio de saudades do meu cão e tenho perdido horas de sono a pensar no que vai ser dele se o ano que vem tiver várias viagens como se afigura , não era isto que estava no plano quando o levei para casa pequenino....

3 comentários:

Isa disse...

Olha, tenho a mania de comprar livros em aeroportos, levo sempre um pra garantir, mas não da última vez… Mas agora nas livrarias dos aeroportos, pelo menos aqui…, só há livros How to, é um saco do cacete… Boa sorte, boa viagem e bom Natal :)

Tenho alguns livros, mas principalmente estou a juntar CDs para quando tiver barco. Bom Natal. disse...

Tenho alguns livros, mas principalmente, estou a juntar CDs para quando tiver barco. Bom Natal.

Rui Silva disse...

O comentário em duplicado é meu!